O jazz de Curitiba e um pouco mais

Saul Trumpet. Foto: Alessandro Reis/Reprodução TopView

Saul Trumpet. Foto: Alessandro Reis/Reprodução TopView

A cena jazz de Curitiba é uma das mais movimentadas do país – e toda essa movimentação já vem de algumas décadas atrás. A jornalista Yasmin Taketani, da revista TopView, mergulhou nesse universo, conversou com alguns dos principais nomes do gênero na cidade e voltou com uma bela reportagem que retrata o que é Curitiba em termos de jazz.

Abaixo, fique com um trecho da reportagem para sentir um gostinho. Confira a matéria na íntegra lá no site da TopView.

“Isso aqui não existia na rua”, disse Luiz Fernando Leal, o Cacau, após uma apresentação no Bar do Fogo, com a plateia ocupando a Rua São Francisco. “O público de jazz era mais contemplativo, ficava dentro dos bares. E hoje é outra linguagem, mais groovy, mais pop, não tão romântica”, ponderou o percussionista formado no Saul Trumpet Bar, vestindo confortavelmente um agasalho esportivo, boné, tênis e a idade – naquela noite ele comemorava 57 anos.

Como outros dessa geração, Cacau podia passar por um senhor qualquer, ou mesmo ser visto como deslocado naquele contexto. Quando começam a tocar, no entanto, esses músicos reivindicam uma potência jovial e são a fiel expressão daquilo que apreciam no estilo: liberdade, resistência e independência. “Jazz é a música acontecendo na hora, é a liberdade de expressão e a expressão do sentimento”, havia dito Ronald Kubis em referência às origens do gênero, na opressão dos escravos, horas antes de tocar com o aniversariante e o “tutor” Paulinho Branco.

Há, no entanto, regras, um repertório que todo jazzista conhece, experiência e convivência musical para dar sentido a toda essa liberdade. Allan Giller Branco usa o futebol como metáfora: “Você sabe que o campo tem X metros de comprimento, uma bola e dois gols. Aí, é muito instintivo e previsível pegar a mudança”. É o que faz com que um solo aconteça no momento certo, com que uma alteração no meio da música seja acompanhada por todo o grupo, com que músicos que não tocam juntos há anos se entendam mesmo sem ensaiar.

Leia a matéria completa lá no site da TopView.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s