Categoria: Músicas

Audac volta com som ensolarado: veja o clipe de “Hollanda”

Audac – Foto: Reprodução / Facebook

Depois de algum tempo sem novidades, o Audac está com música e clipe inéditos: Hollanda é a nova canção do grupo. Passados alguns anos desde que o conjunto ganhou alguma projeção em 2013 com uma vibe meio sombria, a banda retorna com um som bem mais ensolarado – confira no fim do post.

Hollanda é uma homenagem a Orlandina, a vó da vocalista Alyssa Aquino. “Ela não gostava desse nome e mudou para Hollanda. Dona Hollanda. Ela faleceu em 2015 e essa música é para ela”, contou Alyssa ao Defenestrando.

O clipe também vem carregado de lembranças, já que as imagens em super-8 foram feitas por Clésius Aquino (pai de Alyssa), provavelmente, no fim da década de 70 ou início da década 80. O vídeo mostra uma Curitiba nostálgica, bem como cenas de uma viagem pela rota de trem entre Paranaguá, Antonina e a capital.

Atualmente, o Audac é Alyssa e Matheus Reinert. Em Hollanda, há a participação especial de Yan Lemos e do produtor BRZLN AIR. Novas músicas estão nascendo e o Audac deve lançar mais material ainda neste ano. Enquanto isso não acontece, curta o som e o clipe lançados no último sábado, dia 15/07:

E mais!
* Cora apresenta dream pop intenso em EP de estreia
* Marrakesh conta sobre tocar no Primavera Sound
* “A dor dos outros não dói”, diz Diego Perin
* Assine nossa newsletter!

“A Dor dos Outros”: Confira o primeiro single de Diego Perin

Diego Perin já passou por várias grupos de Curitiba – entre eles, a Banda Gentileza, na qual tocou baixo por mais de uma década. Passado um ano desde o fim da Gentileza, Diego lança seu primeiro trabalho solo: A Dor dos Outros é o single que marca o DEBUT sob o seu próprio nome.

Lançada nesta quarta-feira, dia 19/07, A Dor dos Outros acompanha um clipe produzido por ele e por Luana Angreves, além da participação de vários amigos. Sobre arriscar o primeiro lançamento de sua autoria, Diego contou ao blog:

Minha carreira começou e se desenvolveu a partir de composições de outras pessoas. Não que durante todos esses anos não houvesse tentativas de compor algo meu, mas todas incompletas. Até me acostumei com isso. Quando caiu a ficha do fim da Banda Gentileza, eu só tinha um pensamento: “Ou você se coça, ou se aposenta”. A decisão foi fácil. Sorte minha que, nessa trajetória, acumulei grandes amigos que me ajudaram a dar o pontapé inicial. O time, até agora, conta com o Vinicius Nisi, João Taborda e o Lucas Ajuz; encabeçados pelo já lendário Rodrigo Lemos que assina a produção e toca de tudo nessas duas primeiras faixas.

Diego adiantou que já há outra música vindo por aí: Salto deve ser lançada em agosto. E o plano é lançar um álbum completo no primeiro semestre de 2018. Sem uma banda de acompanhamento formada por enquanto, Diego ainda não promete shows de suas músicas para um futuro próximo – mas você poderá encontrá-lo no palco tocando baixo ao lado de Estrela Leminski e Téo Ruiz, que logo chegam com novidades por aí.

Confira A Dor dos Outros:

E mais!
* Novo disco da e/ou é um desafio delicioso
* Vitor Só: voz e violão com capricho e solidão
* Assine nossa newsletter!
* Envie seu som ou sua sugestão de pauta para defenestrandoblog@gmail.com

Guia extrassensorial para cinco músicas selecionadas [Def-Relevo #04]

O Defenestrando mantém uma coluna mensal meio maluca sobre música ou o que mais der na telha no Jornal RelevO. Se você não sabe, o RelevO é um jornal literário produzido em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, e distribuído gratuitamente em várias cidades do país. Abaixo, segue o texto da coluna da edição de julho. Em agosto, tem mais. (Leia as colunas anteriores aqui)

Imagem: Wikimedia Commons

Juan, El Marinero, Constantina & Franny Glass (2012)
Às vezes, quando não há ninguém olhando, Juan tira as botas de chuva, põe os pés para fora de algum barquinho emprestado e caminha sobre o mar. Sem qualquer drama, sem qualquer efeito especial, sem qualquer frescura. Apesar da discrição, o hábito ficou bastante conhecido na pequena vila de pescadores, onde alguns pensam que ele é um peixe e outros pensam que isso é uma idiotice. As crianças não estão nem aí e, sabendo que isso é o mais próximo que chegarão de um astro em todas as suas vidas, correm para tirar fotos com ele e pedir autógrafos. Juan, o marinheiro, tem quarenta anos de idade, apesar de aparentar ter apenas dez. E alguns pensam que tudo isso é uma idiotice.

Que Sera, Wax Tailor (2005)
Cenas de um filme noir. Alguém com um chapéu que cobre os olhos e um sobretudo com a gola levantada até a altura do nariz se esgueira pelas sombras de um metrô praticamente vazio. Na estação indicada previamente, a pessoa desembarca, sobe as escadas e segue pela noite sem se incomodar com a chuva grossa, as poças de água e as pilhas de lixo no chão. Dobra uma ou duas esquinas e entra por uma porta que deveria estar destrancada. No bolso, um volume pesado. Quem irá morrer?

Continuar lendo

Voz e violão com capricho e solidão: conheça Vitor Só

Foto: Divulgação / HAIstudio

Um nome que apreciadores do estilo voz-e-violão precisam ficar ligados: Vitor Só. O curitibano ainda é meio desconhecido no cenário (apesar de sua fanpage no Facebook já ter mais fãs do que a do Defenestrando, hehehe) e, por enquanto, tem apenas uma música lançada oficialmente: À Solidão.

Eu não conhecia o trabalho do Vitor, até que ele enviou essa única canção para o Defenestrando (e-mail: defenestrandoblog@gmail.com). Ouvi com semanas de atraso e… que belíssima surpresa. À Solidão é um ótimo cartão de visita para mostrar o que o rapaz consegue fazer com sua voz quase sussurrada e seus dedilhados precisos, numa mistura que passeia com algum conforto entre as influências de João Gilberto e as canções de apartamento de Cícero.

A faixa foi lançada no começo do ano, e Vitor avisa que pretende lançar um EP quando for possível. Enquanto isso não acontece, fique com essa belezinha que é À Solidão – preste atenção na letra:

Assine a newsletter do Defenestrando!

De Rodrigo Stradiotto a Rosanne Machado em três músicas

Fotos: Divulgação – Reprodução/Facebook

Rodrigo Stradiotto é produtor, compositor e um dos ex-integrantes do Woyzeck, clássica banda dos anos 90 em Curitiba. Solo, Stradiotto tem um projeto chamado Paddy Flinn is Dead, no qual experimenta algumas combinações eletrônicas bastante interessantes. Respondendo por esse nome, ele acaba de lançar uma música nova: G’L Doses. Conforme o próprio músico avisou em sua página no Facebook, do nome ao formato, a canção é uma referência a uma das histórias em quadrinhos que mais o impactou: Moonshadow, de J.M. DeMatteis.

Ouça (e aproveite para conferir o teaser classudo divulgado no Facebook):

 

Desde o ano passado, Rodrigo tem tentado armar algumas parcerias para o Paddy Flynn is Dead. No comecinho de dezembro de 2016, ele soltou uma versão para a música Chino, originalmente lançada por Rosie Mankato em 2013. “Havia uma versão original da Rosie. Eu criei uma nova harmonia, uma outra estrutura rítmica, outras melodias paralelas, uma nova canção, enfim. Mas as linhas de voz já existiam. Isso ajudou bastante, já que eu e ela corremos um monte com outros trabalhos”, contou ele ao Defenestrando.

O resultado ficou interessante e bem diferente da gravação original. Confira Chino (Paddy Flynn is Dead Version):

 

Rosie Mankato é Rosanne Machado, conhecida pelo Rosie & Me – outra banda clássica de Curitiba, mas destes anos 10. Em março, a cantora, compositora e produtora lançou uma nova gravação: Don’t Be Jealous of My Boogie, uma cover de RuPaul. “Este é o meu tributo a todas as pessoas que foram tocadas pelo universo de RuPaul’s Drag Race”, escreveu ela, ao apresentar a cover – que chegou a ser compartilhada por RuPaul em pessoa. Para Rosie, RuPaul’s “é muito mais do que um reality de drag; é sobre autoconfiança, sobre não levar a vida tão a sério e sobre se manter se fiel a quem você é em todos os aspectos da vida.”

Confira o vídeo de Don’t Be Jealous of My Boogie:

Envie seu som, sua ideia de coisas legais ou sua sugestão de pauta para defenestrandoblog@gmail.com

Bface lança vídeo e o beat é classudo: ouça “O Infame”

Foto: Reprodução / YouTube

MC, produtor e beatmaker de Curitiba, o rapper Bface está com um som e um clipe novo: O Infame. No vídeo, dirigido por Jorge Henrique Stocker e Gustavo Zanetti, Bface está no rolê pela noite curitibana. Uma das locações é o clássico Cobras Snooker Bar, e rola até um chopp no Cachorro Quente, ali na rua XV. Os beats deliciosos e finíssimos são do Frates.

A letra está na descrição do vídeo no YouTube: “My man, eu tô no barco, você também / Goddamm, esse é o maior problema / ninguém sabe qual é o norte e tem cuzão que não rema”, diz um trecho.

O site RND avisa que o MC está em vias de lançar um novo EP. Em 2016, Bface participou de uma Sextape: um belíssimo menage-a-trois protagonizado também pelos MCs Castanha e Lyn’C. O compilado apareceu na lista dos 60 melhores lançamenos do ano no mesmo RND – um dos maiores e mais importantes portais do hip-hop nacional.

Confira O Infame:

Envie seu som ou sua sugestão de pauta para defenestrandoblog@gmail.com