Marcado: Curitiba

DefNews #01: Katze, Mulamba, Audac, Darlene Lepetit, Lux Mundi

DefNews é o boletim de coisas que eu deveria colocar em posts separados, mas que eu me enrolei, perdi a hora certa de publicar e acabei juntando tudo em um post só (tudo isso, óbvio, referindo-se ao universo da música alternativa em Curitba). Vamos lá:

* * *

Katze é o projeto solo de Katherine Finn Zander, uma das integrantes da girl band Cora. Ela prepara o lançamento de seu EP de estreia: Moon Phases of a Relationship está previsto para chegar ao mundo ainda neste mês (tem mais informações sobre isso lá no site da Vista). Em meados de fevereiro, ela soltou o vídeo de Waxing Moon, o primeiro clipe do projeto. Ilustrando bem o que a canção tem de indie eletrônico suave, o vídeo foi produzido pelos Rasputines e protagonizado pela própria Katherine e seu dog, o Lobo – “Um cachorro como poucos: oferecido, derretido e que nunca passa despercebido. Logo, o melhor indivíduo para protagonizar esse clipe, que conta a história do começo de uma relação com um cara que lembra muito um dog fofo e vira-lata, desses bem sem-vergonha”, diz a descrição do vídeo no YouTube.

A Mulamba também prepara o lançamento de seu primeiro EP. O compilado deve sair no máximo até o fim do semestre, mas a faixa Provável Canção de Amor para a Estimada Natália foi lançada na última edição da revista digital QRtunes. Clique aqui para ter acesso à revista – mas você vai precisar de um leitor de QR code para conseguir ouvir a música. A Mulamba é uma das bandas mais impactantes a surgir no cenário curitibano nos últimos anos e, enquanto o resto do EP não é lançado, eu aproveito para avisar por aqui que, no último fim de semana, bati um papo sensacional com a violoncelista Fer Koppe, uma das integrantes do grupo – e o resultado dessa conversa será publicada em forma de entrevistão aqui no blog. Em breve, num Defenestrando perto de você.

Mulamba no QRtunes – Imagem: Reprodução

Darlene Lepetit já tem uma das músicas mais grudentas do ano: Passinho da Passiva é o primeiro single da cantora – e a canção é tão divertida quanto o clipe que a acompanha. O vídeo foi gravado com dançarinas e dançarinos fazendo os movimentos que lhes dão na telha em frente à câmera e em meio aos cenários mais variados da cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Eu já estou aqui te avisando que, se você der play no clipe abaixo, o refrão vai ficar grudado na sua cabeça por um ou dois dias:

O Audac andava sumido, mas, finalmente, houve um sinal de vida: no último domingo (12/03), a banda publicou uma foto no Facebook com seus integrantes no estúdio Gramofone, em Curitiba. “Agora é de verdade! Em abril, sai um single”, dizia a legenda. O grupo está com a formação bem diferente em relação à que participou da gravação do primeiro disco, homônimo, deliciosíssimo, lançado em 2014 e produzido por Gordon Raphael (The Strokes, Regina Spektor).

Foto: Reprodução / Facebook

Tem rolê legal em Curitiba neste sábado (18/03): Lux Mundi, um festival dearteano. Quem já foi ao DeArtes, sabe do universo paralelo que é o campus da UFPR localizado bem no meio do Batel – agora, imagina um festival durante uma tarde inteira lá. “No dia 18 de março, universitários, artistas, universitários artistas, artistas universitários e seres mágicos abrirão um buraco no espaço-tempo para fazer dessa festa uma verdadeira luz no mundo de Curitiba”, diz a descrição do evento. Haverá shows com as bandas Obake, Os Freakadélicos, Pompeu & Os Magnatas e Expresso Vermelho, além de discotecagem, oficinas, performances e graffiti. Ingressos antecipados já estão à venda por R$ 15 e o evento é restrito a maiores de 18 anos. Confirme presença e saiba mais no Facebook.

Imagem: Reprodução / Facebook

Entre em contato e mande o seu som ou sua ideia de post/sugestão de pauta no e-mail defenestrandoblog@gmail.com

Sonho de um carnaval eufórico em Curitiba

Garibaldis & Sacis no Largo da Ordem em 2013 - Foto: Julio Garrido - Reprodução/Facebook Garibaldis & Sacis

Garibaldis & Sacis no Largo da Ordem em 2013 – Foto: Julio Garrido / Reprodução Facebook Garibaldis & Sacis

Foi uma bela tarde no último domingo no Largo da Ordem, em Curitiba. Os Garibaldis & Sacis desceram pelo centro histórico empurrando sua pipoqueira de som e arrastando uma pequena multidão de foliões fantasiados que dançavam e pulavam a batucada das marchinhas de carnaval cantadas por Itaercio Rocha e companhia. A apenas alguns metros de distância, o bloco Caiu no Cavalo Babão (do qual faço parte) tocava clássicos do rock em versões axé, frevo e marcha.

Cada bloco carregava seus seguidores e, quando os dois conjuntos se cruzaram em frente ao Memorial de Curitiba, uma parte dos públicos se misturou, galeras pularam juntas e as baterias se somaram em uma divertidíssima confusão. A PM, que, duas semanas atrás, mandou parar o primeiro ensaio aberto do Caiu no Cavalo Babão depois de 30 ou 40 minutos por perturbação do ambiente, não passou nem perto desta vez, provavelmente mais envolvida com o Atletiba que não aconteceu.

Foi lindo. Fez calor, não choveu, o entardecer deixou o céu alaranjado, o público ficou do início ao fim e as crianças adoraram.

Cansado e com sono, fui para casa e me deitei ainda ouvindo os surdos e caixas repicando. Dormi e tive um sonho bastante agitado: quando me dei conta, estava circulando entre o bairro São Francisco e o Centro de Curitiba, em um domingo de carnaval que parecia tão gostoso como o que eu tinha acabado de testemunhar. A diferença é que, nesse sonho, as ruas estavam completamente tomadas de gente e de blocos dos mais variados. Pareciam as ladeiras de Olinda ou as avenidas do Rio de Janeiro em pleno carnaval.

No Largo da Ordem, não havia espaço para mais nada. Pessoas de todas as idades, cores e sabores pulavam conforme a batucada do momento e ao calor do sol e do céu azul. Crianças fantasiadas penduradas em cima dos ombros dos pais esboçavam sorrisos gigantescos. Senhorinhas sentadas em cadeiras de praia observavam o movimento enquanto cantarolavam as marchinhas e lembravam dos carnavais de outras épocas. Todos os bares e restaurantes da região estavam com as portas abertas e vendiam chopp, cerveja, água e picolé para quem passava.

Continuar lendo

This Lonely Crowd volta com pedradas e até canta em português em novo disco

this-lonely-crowd-homonimo

This Lonely Crowd deve ser uma das poucas bandas do mundo que têm uma quantidade muito parecida de shows feitos e de discos lançados. Tal raridade configura um grupo bastante inusitado – é sempre um nome para se prestar atenção em Curitiba, principalmente se você é uma pessoa que gosta de noise, porradas sonoras e literatura. Os caras acabam de lançar um novo disco: homônimo, This Lonely Crowd é o sexto álbum cheio da banda e foi lançado no finalzinho de janeiro pela Sinewave, selo que caminha junto ao TLC há alguns bons anos.

Misturando paredes sonoras (ou socos na barriga com guitarras distorcidas) com passagens meticulosamente oníricas, o This Lonely Crowd agora tenta também algumas letras em português, como é o caso de Florbela Ex-Punk, faixa que abre o disco com grande explosão e indica a referência literária já no nome.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Como de costume, seus integrantes mudam novamente de identidade neste álbum (agora, são Hurleburlebutz e Bonijov nas guitarras, Trushbeard the King na bateria, a Rainha Branca no baixo e no vocal, e Hamelen no vocal principal e na terceira guitarra). É como se fossem atores encarnando personagens que surgem e desaparecem conforme a história contada em cada disco. É tudo de uma misticidade que ajuda a reforçar o folclore em torno de This Lonely Crowd, diferenciando-a na multidão de bandas da internet e mantendo-a memorável mesmo com tão poucos shows.

Minhas favoritas desse álbum são Vancian Noise e The Penguin Dictionary of Curious and Interesting Numbers, mas isso é só porque eu sou um cara mais tranquilo e gosto de atmosferas suaves. Se você prefere pedradas, tem várias ótimas opções espalhadas pelo disco. Ouça abaixo.

E aqui vai a observação: se você gostou de This Lonely Crowd e ficar sabendo de algum show da banda, não perca a oportunidade de ir vê-los tocar. Pode ser que eles só se apresente de novo quando lançarem outro disco.

Psycho Carnival chega à 18ª edição e continua tocando o terror

psycho-carnival

O Psycho Carnival vem aí, promovendo o maior caos do sul do mundo e usando o psychobilly para tocar o terror no carnaval curitibano. Marco de uma incrível resistência e longevidade, o festival teve sua primeira edição em 2000 e, agora, será realizado pela 18ª vez.

Em 2017, o Psycho Carnival retorna ao palco do Jokers Pub e continua seguindo a sua tendência já mais do que consolidada de trazer os maiores nomes do psychobilly mundial para Curitiba – o que lhe garante um lugar entre os maiores festivais do gênero em todo o mundo e uma cadeira cativa entre os principais eventos alternativos do carnaval brasileiro. Tem gente que atravessa o país para ver todas as bandas do lineup concentradas em quatro dias de programação, e neste ano não será diferente.

The Meteors e The Long Tall Texans (ambas do Reino Unido), a americana The Phantom Rockers e a argentina Jinetes Fantasmas encabeçam a parte internacional da escalação. “The Meteors são conhecidos como os reis do psycho e são importantíssimos para a cena e para a formação do que hoje chamamos de psychobilly. Eles praticamente forjaram o estilo”, explicou Vlad Urban, produtor do evento (e um nome que já é praticamente sinônimo de Psycho Carnival), no release oficial que divulga o festival.

“Foi formada em 1980 e lança discos praticamente todos os anos.” Os Long Tall Texans também são importantíssimos. “Eles vêm lá de 1984. E também são uma formação histórica que pegou o olho do furacão da criação do gênero”, diz Vlad.

Continuar lendo

Garibaldis & Sacis domingo na Marechal! E mais um monte de pré-carnaval em Curitiba!

Foto: Reprodução Facebook/Garibaldis & Sacis

Foto: Reprodução Facebook/Garibaldis & Sacis

VAI ACONTECER! Os Garibaldis & Sacis confirmaram, na última quinta-feira (09), que o bloco vai sair pela avenida Marechal Deodoro neste domingo, dia 12/02! O grupo já havia anunciado que estava em conversas com uma empresa privada para a realização de um grande evento na rua (como os que houveram nos últimos anos) desde o cancelamento do repasse da Prefeitura e da Fundação Cultural de Curitiba. A saída está marcada para as 16h.

Não bastassem os próprios Garibaldis, quem for à Marechal Deodoro neste domingo também poderá pular ao som do Monobloco, já conhecido por promover belos festerês ao subir em um palco ou trio elétrico. O evento é apresentado pela Skol e, como já disseram no Facebook, “até você, que é contra, que disse que não gosta, que é a favor corte da verba, também pode chegar para aproveitar a festa.”

garibaldis-e-sacis-banner

E TEM MAIS! (Leia com a voz do apresentador do Polishop)

A notícia dos Garibaldis já é ótima, mas o melhor é que há um monte de pequenos blocos que estão surgindo por aí e que também irão às ruas neste fim de semana em Curitiba! Já tem até uma programação extra-oficial circulando pelo Facebook.

Como esse cronograma realmente não tem caráter oficial, antes de ir procurar a sua turma, vale checar, nas páginas de cada bloco no Facebook, se o horário e local de saída mostrados aqui estão confirmados. Aproveite o carnaval!

agenda-pre-carnaval

Mural gigante dos Cosmic Boys começa a tomar forma em Curitiba

cosmic-boys

Já começaram os trabalhos para a pintura de um gigantesco mural na fachada do antigo Cine Condor, no Centro de Curitiba. A obra sairá das mãos, pinceis e rolos dos Cosmic Boys, badalado combo formado por Rimon Guimarães, Zeh Palito e Ramon Martins – artistas que já trilham um sólido percurso nacional e internacional pelas artes visuais.

“Uma obra monumental que pretende instigar a reflexão dos transeuntes”, diz o comunicado oficial do evento, que é produzido pela Mucha Tinta. Giusy de Luca, idealizadora do projeto, olha com alguma esperança para o mural que começa a brotar ali na Cruz Machado: “A ideia principal é dar acesso à toda população”, disse ela ao Defenestrando. “Estou muito feliz em produzir um mural em escala monumental de três artistas brasileiros que são reconhecidos no mundo inteiro”, contou.

Início do processo no mural. Foto: Defenestrando

Início do processo no mural. Foto em qualidade questionável: Defenestrando

Passei por lá na manhã desta sexta-feira (10) e deu para ver que os primeiros traços e contornos já haviam sido feitos. O paredão deve começar a ganhar cores ao longo da próxima semana. Tem um evento no Facebook no qual você pode confirmar presença para ficar por dentro das novidades. A fanpage da Mucha Tinta também pode ser uma boa fonte de informações sobre o mural.

Vale dar uma passada por lá para conferir a evolução do trabalho dos caras. E vale também aproveitar para prestigiar esse tipo de arte enquanto Curitiba ainda não passa por nenhum arroubo de querer pintar tudo de cinza – uma situação que não seria difícil de imaginar, dada a maneira como a gestão atual da Prefeitura tem tratado as manifestações culturais na capital, além de outras iniciativas promovidas pela ~mocidade~.

Vai lá. Fica na rua Rua Cruz Machado, esquina com a Ébano Pereira, bem em frente à Secretaria de Estado da Cultura.

Foto: Defenestrando

Foto: Defenestrando